Clique na Imagem

segunda-feira, 17 de setembro de 2012

VIII Recriação Histórica do Cerco de Almeida - Fotos & Videos (4)


Caríssimos,

Venho deixar-vos a última parte do conjunto de imagens relativo ao evento de Almeida e tentar, pelo meio, fazer-vos um relato do sucedido neste evento. Na imagem supra podemos ver as unidades militares representativas dos vários grupos presentes neste evento na cerimónia protocolar do içar das bandeiras, que teve lugar junto do edifício da Câmara Municipal de Almeida.


A que se seguiu um desfile através das pitorescas ruas da vila, até à Praça Alta e ao monumento aos caídos em combate, a fim de serem realizadas as correspondentes cerimónias evocativas.

Esta parte protocolar é sempre importante, pois serve, além do mais, para recordar a todos os presentes a razão fundamental que está subjacente a este tipo de eventos: a evocação de um tempo histórico formidável  e fértil em desastres e em feitos heroicos, que envolveu muitos os povos e nações.

E na parte que nos toca (aos portugueses), a constatação de um facto: o de que é impossível domar o espírito de um povo que não se quer deixar abater, sejam quais forem os obstáculos a transpor.


E no domingo de manhã, a "festa" começou com um duelo amigável de artilharia, pois convém sempre verificar se o material está em boas condições de funcionamento.


Neste evento, as nossas esquadras de artilharia contaram com a presença de dois aprendizes de artilheiros vindos de Lisboa (ou arredores), que muita ajuda nos prestaram e que constataram como é que os homens da Beira Alta e do Norte lidam com as peças de artilharia.


Aqui temos as duas peças de artilharia francesas.

Nesta altura o Manuel Ruibal ainda se estava a queixar da (suposta) má qualidade da pólvora que tinha usado no dia anterior...


A nossa esquadra de infantaria, composta por elementos dos RI nº 23 e RI nº 11 assumiu a sua habitual postura serena e combativa.


Não existe sítio onde os infantes não consigam chegar!

Aqui os temos "empoleirados" no cimo de uma das muralhas de Almeida.


Por falar em "empoleirar", o esquadrão de cavalaria comandado pelo nosso amigo Demetrio fez verdadeiras acrobacias, chegando a passar com os cavalos por sítios que eu tenho dúvidas de conseguir alcançar a pé...


Aqui podemos ver a esquadra de infantaria inglesa, composta por recriadores históricos vindos de Arroyomolinos.


Nesta imagem podemos visualizar o comandante geral do exército francês presente neste evento, que por acaso era um...almirante.


Aqui temos o nosso camarada Belchior, a suar as "estopinhas" com a sua farda do Batalhão de Caçadores nº 6.


E aqui temos dois camaradas da ANP, novos nestas andanças das recriações históricas, mas muito experientes em questões militares: Urze Pires e António Ferrer.


No final do evento decorreu a habitual cerimónia protocolar, com a presença em formatura de todas as unidades, no decurso da qual o Sr. Presidente da Câmara Municipal de Almeida, o Professor Baptista Ribeiro, juntamente com o Sr. Presidente da Associação Napoleónica Portuguesa, o Eng. Faria e Silva,  transmitiram agradecimentos pela presença e participação no evento a todos os recriadores históricos presentes.


E aqui temos o Prof. Baptista Ribeiro em conversa com alguns elementos do R.A. nº 4.

E assim finalizou mais um excelente evento cultural na formosa vila de Almeida.

É tempo de começar a trabalhar e a preparar o próximo!

ALMA ATÉ ALMEIDA!


Pedro Casimiro

segunda-feira, 10 de setembro de 2012

VIII Recriação Histórica do Cerco de Almeida - Fotos & Videos (3)


Caríssimos,

Aqui ficam algumas imagens relativas ao "prato forte" desta recriação histórica: a batalha nocturna.

Desta vez o local da batalha situou-se nos fossos das Portas de Santo António, em Almeida, que se revelou um local adequado para este efeito, com muito melhor visibilidade para o público assistente.
Por outro lado, esta escolha revelou-se também mais interessante para os próprios recriadores, com mais espaço para execução de manobras táticas, por parte da infantaria e da cavalaria.
A propósito, este foi o ano em que tivemos o maior número de soldados de cavalaria presentes, que fizeram um excelente trabalho e inesperadas acrobacias com as suas montadas!


Ao centro desta imagem é possível visualizar a esquadra de infantaria portuguesa a fazer fogo em formação linear. 

Uma vez mais, a nossa infantaria fez um excelente trabalho em campo!



Aqui podemos ver um dos muitos anéis de fumo produzidos pelo canhão do nosso amigo Manuel, da Corunha! 
Ele deixa-nos sempre ficar mal nesse aspecto, pois os nossos canhões tiram só um ou dois anéis de fumo por combate, enquanto o dele é quase um em cada tiro.

E apesar disso, ainda que queixou (durante cerca de 5 horas...) da qualidade da pólvora! 

Já sabes Manuel, para a próxima levas apenas metade da ração de pólvora!



A cavalaria fez muitas evoluções interessantes no campo de batalha, obrigando a infantaria adversária a adoptar a formação em quadrado, que historicamente constituía a forma de defesa mais eficaz da infantaria contra a cavalaria.



A linha de defesa do exército aliado (luso-inglês) está envolta em fumo, devido aos constantes disparos.


Até o povo teve acesso ao campo de batalha!

Desde que devidamente enquadrados, os elementos populares ou de guerrilha são um foco interessante nestas recriações, simbolizando o papel histórico fundamental que tiveram na Guerra Peninsular.


Pedro Casimiro

quinta-feira, 6 de setembro de 2012

VIII Reconstituição Histórica do Cerco de Almeida - Fotos & Videos (2)


Caríssimos,

Graças à colaboração do nosso camarada Armindo, finalmente tive acesso a algumas imagens relativas ao evento recentemente realizado. E como tenho a certeza que os nossos amáveis seguidores andam "em pulgas" para ter acesso às mesmas, aqui ficam elas.

Na primeira imagem podemos ver a fantástica bandeira regimental do nosso Regimento de Artilharia nº 4, colocada numa das muralhas de Almeida e a balançar ao sabor da brisa. Esta bandeira constitui uma verdadeira obra de arte, sendo uma réplica fiel da existente há duzentos anos atrás e a respectiva confecção envolveu muitas horas de investigação e de trabalho, incluíndo bordados à mão.


Depois das várias cerimónias protocolares e evocativas, realizadas no sábado de manhã (das quais ainda não tenho imagens) a maioria dos soldados instalou-se no acampamento histórico a executar várias tarefas ou simplesmente a dar "duas de letra" com os camaradas presentes.

Claro está que houve muitos soldados que preferiram visitar a interessante Feira Oitocentista que decorria na mesma altura, principalmente os locais onde havia "fontes de cerveja".


Aqui temos uma mesa de "trabalho" de um grupo de amigos de Espanha, que se dedicou a fazer um excelente trabalho de demonstração e de explicação de diversos instrumentos médicos e cirúrgicos oitocentistas, aos muitos visitantes que assistiram a este fantástico evento.


Muitos participantes aproveitaram a tarde de sábado para fazer exercícios de ordem unida no acampamento, como podemos ver aqui fazer elementos de um grupo espanhol de Arroyomolinos, que, para estreantes nestas andanças, mostraram muita segurança em campo.


E, claro está, a infantaria portuguesa não podia deixar também de participar em exercícios de treino de combate.

Eu até nem queria fazê-lo, pois estava muito calor e o sistema de ar condicionado da farda por vezes avaria nestas alturas. Mas como as tropas insistiram muito, lá tive de lhes dar vários exercícios de ordem unida, durante cerca de duas horas.

O facto de toda a malta ter ficado a "suar em bica", deu-me a entender que gostaram do treininho...

Pedro Casimiro