Clique na Imagem

segunda-feira, 29 de setembro de 2014

204.º Aniversário da Batalha do Bussaco - Reportagem Fotográfica


Caríssimos(as),

Tivemos, uma vez mais, o grato prazer de participar nas comemorações de mais um aniversário da Batalha do Bussaco, organizadas pelo Exército Português, entidade que, todos os anos, organiza esta cerimónia evocativa da maior batalha alguma vez realizada em território nacional (ocorrida no dia 27 de setembro de 1801), e que se saldou por uma vitória do exército anglo-luso, comandado pelo general Arthur Wellesley, mais tarde nomeado Duque de Wellington (em 3 de maio de 1814).


A cerimónia iniciou-se com um cortejo militar e religioso, que partiu do Museu Militar do Bussaco até ao terreiro onde se encontra o monumento à batalha, em que participaram as mais diversas autoridades militares, civis e religiosas.




Aqui podemos ver o destacamento do Regimento de Infantaria nº 14, integralmente composto por soldados do Exército Português.


Nesta imagem podemos visualizar a coluna composta por elementos do GRHMA e da ANP, liderada pela bandeira nacional (séc. XIX) e pela bandeira regimental do Regimento de Infantaria nº 23.


As tropas do GRHMA e da ANP em descanso, antes do início do desfile militar e religioso.


Este garboso soldado estava a comandar um dos destacamentos presentes neste evento.


Aqui temos o destacamento de cavalaria, representativo de um Regimento de Dragões, integralmente composto por soldados da Guarda Nacional Republicana.



Está disponível no Museu Militar do Bussaco uma reedição de um livro muito interessante sobre esta batalha e todo o enquadramento histórico a ela associada, que recomendo vivamente a todos os amantes da história nacional.

Um dos factos interessantes retratados nesse livro está associado às grandiosas comemorações que foram feitas no Bussaco, por altura da comemoração do centenário desta batalha, que se realizaram no dia 27 de setembro de 1910, com inclusão de diversas fotografias de época. 

Esse evento contou com a assistência de mais de cem mil pessoas, bem como com a presença do Rei D. Manuel II e das mais altas entidades militares, civis e religiosas no país.

Todavia, decorridos cerca de oito dias desse evento, deu-se a instauração da Primeira República (5 de outubro de 1910) em Portugal, e a deposição do Rei D. Manuel II. 

Ironias do destino...

Agradeço a JP o especial favor de ter enviado estas excelentes fotos.


Pedro Casimiro




quinta-feira, 25 de setembro de 2014

A viagem inaugural da Fragata Hermione - dias 6 e 7 de setembro de 2014


Caríssimos(as)

Venho dar-vos nota de um fantástico evento, que nos foi dado a conhecer pelos nossos camaradas da Garde Chauvin, relacionado com a saída ao mar da recentemente construída réplica da Fragata Hermione.

Existe uma considerável tradição histórica associada a este navio, que esteve originariamente ao serviço da marinha de guerra francesa entre os anos de 1779 e 1793. No ano de 1780 foi a (versão original) da Fragata Hermione que transportou Gilbert de Motier, Marquês de La Fayette para os Estados Unidos da América, para se juntar à rebelião (guerra da independência americana) que nessa altura estava a decorrer contra o domínio britânico, onde este bravo francês desempenhou um papel muito relevante, representativo da solidariedade entre os homens.

Por outro lado, esta Fragata é representativa de um ponto alto da marinha francesa, em termos da qualidade de construção de navios e de património marítimo, em particular proveniente do arsenal de Rochefort.

É, por isso, considerável a bagagem histórico-cultural associada a este evento.



Aqui podemos ver os membros da tripulação deste navio.


No dia 6 de setembro realizou-se o transporte deste navio através de comportas, do local de construção até ao rio Charente, situado na região onde está sediada a Garde Chavin.



O tabuleiro de uma das pontes do rio Charente teve de ser elevado, para permitir a passagem deste navio.


Aqui podemos ver um tiro de canhão feito por esta fantástica Fragata, no percurso que decorreu no rio.


A entrada triunfal no mar!



Através destas imagens é possível visualizar o considerável interesse que este evento despertou entre os amantes do mar!


A construção deste navio teve o seu início no ano de 1997 e a sua viagem inaugural apenas ocorreu este ano. Como devem imaginar, tratou-se de um trabalho que envolveu, além do mais, um esforço financeiro considerável, foi uma aventura (que certamente começou como um sonho...) inspirada pela Associação Hermione-La Fayette, sediada em Rochefort, na França e que, depois de cerca de 17 anos, viram o seu projeto concretizado.

Parabéns a todos estes sonhadores!


Pedro Casimiro





segunda-feira, 22 de setembro de 2014

204.º Aniversário da Batalha do Buçaco


Caríssimos,

Venho dar-vos nota da realização da comemoração do 204.º aniversário da batalha do Buçaco (originariamente travada no dia 27 de setembro de 1810), organizada sob a égide do Exército Português, que irá realizar no próximo dia 27 de setembro de 2014, junto ao monumento (obelisco) comemorativo da batalha, situado no cimo da serra do Buçaco.



A Associação Napoleónica Portuguesa e o Grupo de Reconstituição Histórica do Município de Almeida aceitaram, com prazer, o honroso convite que foi dirigido por aquela entidade, no sentido de uma participação ativa na comemoração deste acontecimento, que possui uma importância considerável, em termos histórico-culturais, para o nosso país.

Está previsto o início do desfile histórico-militar por volta das 10.00 horas da manhã, a partir do Museu Militar do Buçaco, a que se seguirá a uma missa campal e a cerimónia evocativa.


Pedro Casimiro



quinta-feira, 18 de setembro de 2014

X Reconstituição Histórica do Cerco de Almeida - O Acampamento Histórico



Caríssimos,

Agora vou mostrar-vos o que fazem as tropas nos intervalos das cerimónias e dos combates (para além das normais visitas à tasquinha da Amelinha....).

Começamos por visualizar o parque de artilharia do GRHMA, composto por três fantásticas peças de artilharia, que são réplicas fieis de uma peça de artilharia de 3 libras, modelo D. José I, do ano de 1773.

Trata-se de peças de campanha, destinadas ao acompanhamento da infantaria no campo de batalha, sendo por isso dotadas de elevada mobilidade. 

Aliás, os artilheiros do nosso Regimento de Artilharia nº 4 já demonstraram que não existe obstáculo insuperável ou local inacessível, para as nossas peças de artilharia!



Aqui temos a esquadra de artilheiros de marinha, que estão a fazer o "estágio" junto do R.A. nº 4.


Uma das principais atividades dos soldados em acampamento histórico passa pela limpeza e manutenção das armas e equipamento.




Havendo também sempre tempo para um ou dois joguitos de dados ou de cartas...

Aqui podemos ver um destacamento da Garde Chauvin a executar tarefas de confeção de cartuchos.


Aqui podemos ver um soldado francês que ficou gravemente ferido, mas que depois de beber um "fortificante" ficou de novo pronto para o combate!
(nota: os ferimentos são apenas pinturas artisticas....)



Outras atividades importantes no acampamento histórico: coser rasgões na farda e dormir uma sesta.


Esta atividade chama-se "duas de letra".


E aqui temos um dos passatempos preferidos dos soldados: dar umas voltinhas no carrossel manual!


Aqui temos uma reconstituição histórica de alguns ovideos...


As armas ficam ensarilhadas e prontas para "trabalhar" ao primeiro sinal de alarme!


E aqui temos os nossos amigos do Magote de Santo Antão, que são já de uma presença imprescindível no evento de Almeida.


Pedro Casimiro





quarta-feira, 17 de setembro de 2014

X Reconstituição Histórica do Cerco de Almeida - Os Combates


Caríssimos,

Para continuar esta série de "posts" relacionados com o evento de Almeida, venho deixar-vos algumas imagens relativas aos violentos e encarniçados combates, que marcaram o final do mês de agosto, mas dos quais, felizmente, não resultaram ferimentos graves para nenhum dos participantes...


Aqui temos a marcha da coluna portuguesa, para o campo de batalha, encabeçada pela bandeira nacional (à direita) e pela bandeira regimental do Regimento de Infantaria nº 23 (à esquerda)



Seguida de uma unidade de infantaria inglesa, que, por mero acaso, era integralmente constituída por amigos espanhóis...


Aqui podemos ver os nossos camaradas espanhóis do 34.º Régiment de Ligne, que, vindos de Burgos, participaram pela primeira vez neste evento. Esta unidade mostrou estar muito bem organizada e disciplinada.



Fogo à peça!




Esta peça de artilharia francesa, manobrada pelos nossos amigos de Bailen, não perdia uma oportunidade para tentar abalar as muralhas da fortaleza com os seus potentes tiros!


Aqui podemos ver uma unidade francesa de infantaria de linha, da Garde Chauvin.



A certa altura o número de franceses era de tal modo elevado que parecia impossível resistir ao assalto!


Mas, claro está, que quando as tropas portuguesas se apresentaram no campo de batalha, tudo mudou!
Aqui podemos ver a nossa unidade de infantaria de linha.


Que esteve sempre acompanhada pelas nossas peças de artilharia, que, com o seu fogo nutrido e certeiro, provocaram pesadas baixas no exército adversário!


Este ano, o combate noturno correu particularmente bem, e foi coroado, no final, por um verdadeiramente espetacular show de fogo de artifício!




Aqui temos um exemplo do efeito do fogo de uma peça de artilharia, à noite.


Pedro Casimiro