GRHMA

GRHMA
CLIQUE NA IMAGEM

segunda-feira, 31 de outubro de 2016

"O Quartel-General de Wellington no Vimeiro" - Centro de Interpretação da Batalha do Vimeiro, dia 13-11-2016, pelas 15.00 horas


Caríssimos(as),


No próximo dia 13 de novembro está prevista a realização de mais um interessante evento no Centro de Interpretação da Batalha do Vimeiro (CIBV), que irá contar com a presença do nosso conhecido e eloquente orador Sr. Coronel Américo Henriques, alusivo ao tema "O Quartel-General de Wellington no Vimeiro".

Os dotes de oratória e os profundos conhecimentos técnicos do nosso amigo Coronel Américo Henriques, associados ao selo de qualidade em termos organizativos do CIBV, implicam que este será um evento de presença obrigatória para todos os interessados em aprofundarem os seus conhecimentos da História de Portugal.

Informações adicionais acerca deste evento podem ser obtidas AQUI.

Pedro Casimiro




quinta-feira, 27 de outubro de 2016

"A incrivel historia das linhas de Torres Vedras"


Caríssimos(as),
Venho dar-vos conhecimento de um animado filme de animação, que a nossa amiga Paulinha trouxe ao meu conhecimento, que, de uma forma sucinta e interessante, relata a História que está por detrás da construção das famosas Linhas de Torres e que foi galardoado com um prémio Bang Awards © 2010.

Este video pode ser visualizado AQUI.


Pedro Casimiro

domingo, 23 de outubro de 2016

Dia Nacional das Linhas de Torres: Sobral de Monte Agraço, dia 20 de outubro de 2016 - Reportagem fotográfica


Caríssimos(as),
No passado dia 20 de outubro realizou-se, conforme previsto, uma interessante cerimónia evocativa do Dia Nacional das Linhas de Torres, na simpática localidade de Sobral de Monte Agraço.

Esta associação do dia 20 de outubro à comemoração do Dia Nacional das Linhas de Torres é relativamente recente, tendo sido institucionalizada através da Resolução da Assembleia da República nº 88/2014, de 17 de outubro de 2014.

Esta efeméride pretende promover uma justa homenagem aos profundos sacrifícios suportados pelos homens e mulheres da Nação Portuguesa, designadamente no decurso da Terceira Invasão Francesa, cujo esforço foi determinante para a edificação, em tempo útil, do formidável obstáculo que foram as Linhas de Torres, que o numeroso e aguerrido Exército Francês invasor, liderado por André Massena encontrou no final do ano de 1810 e que não logrou transpor, assim se contribuíndo de um modo determinante para a salvaguarda da independência nacional.


Como não podia deixar de ser, este evento contou com a presença dos nossos amigos e amigas da Guerrilha de Montagraço, cujo grupo de reconstituição histórica é constituído por elementos populares que, desde há já vários anos, vem contribuíndo precisamente para evocar a memória da bravura e resistência do povo Português ao invasor francês, no decurso da chamada Guerra Peninsular.



E aqui podemos ver os nossos camaradas da Associação para a Memória da Batalha do Vimeiro, que recriam o Regimento de Infantaria nº 19 e cuja presença contribuiu para abrilhantar este evento, com a sua habitual e rigorosa postura histórico-militar.




Este evento evocativo teve lugar junto ao interessante Centro de Interpretação das Linhas de Torres, que se situa no centro histórico da vila de Sobral de Monte Agraço e contou com a presença de de diversas personalidades locais, entre as quais se incluiu o Sr. Presidente da Câmara Municipal de Sobral de Monte Agraço, José Alberto Quintino, que é igualmente Presidente da Associação das Linhas de Torres, cuja Rota Histórica das Linhas de Torres já conta no seu curriculum com o prestigiado Prémio da União Europeia para o Património Cultural Europa Nostra 2014.

O meritório trabalho nesta matéria desenvolvido pela Plataforma Intermunicipal das Linhas de Torres, que integra os municípios de Sobral de Monte Agraço, Arruda dos Vinhos, Loures, Mafra, Torres Vedras e Vila Franca de Xira, constitui um excelente exemplo do contributo que responsáveis autárquicos determinados podem dar para a preservação e divulgação da História de Portugal.

Este evento constitui também mais um exemplo do contributo que associações como a Guerrilha de Montagraço e a Associação para a Memória da Batalha do Vimeiro podem dar, ao nível da evocação deste nosso património histórico-cultural, cuja defesa e promoção é um imperativo de cidadania.

Autoria das imagens: Fernando.

Pedro Casimiro




sexta-feira, 14 de outubro de 2016

Dia Nacional das Linhas de Torres: Sobral de Monte Agraço, dia 20 de outubro de 2016


Caríssimos(as),
Venho trazer-vos uma nota informativa relativa a um evento que irá ter lugar no próximo dia 20 de outubro, em Sobral de Monte Agraço, integrado na comemoração do Dia Nacional das Linhas de Torres.

Este evento irá contar com a participação de elementos da Associação de Cultura e Recreio 13 de Setembro de 1913 (Guerrilha de Montagraço) de Sobral de Monte Agraço e da Associação para a Memória da Batalha do Vimeiro.

O Município de Sobral de Monte Agraço tem feito um investimento muito relevante, já há vários anos a esta parte, associado à promoção e divulgação do respetivo património histórico-cultural alusivo à Guerra Peninsular, que se traduziu, designadamente, na recuperação de diversos fortes integrados das chamadas Linhas de Torres, o que permite hoje em dia que qualquer pessoa possa usufruir, por exemplo, do chamado Circuito de Visita do Alqueidão, que está integrado na Rota Histórica das Linhas de Torres.

Outro equipamento histórico-cultural de visita obrigatória neste concelho é o excelente Centro de Interpretação das Linhas de Torres.


Pedro Casimiro



segunda-feira, 10 de outubro de 2016

"400 Anos de Artilharia no Castelo": Castelo de S. Jorge (Lisboa), dia 7 de outubro de 2016 - Reportagem fotográfica



Caríssimos(as),
Pela primeira vez, os bravos soldados de artilharia do nosso Regimento de Artilharia nº 4 tiveram o grato prazer de se deslocarem a Lisboa, a fim de fazerem uma demonstração alusiva à movimentação e funcionamento de uma peça de artilharia de campanha do início do séc. XIX, usada no decurso da Guerra Peninsular.

E o enquadramento para a realização desta demonstração não podia ser mais perfeito, na medida em que teve lugar no magnífico Castelo de S. Jorge, que proporcionava uma excelente vista sobre a cidade e as adequadas condições acústicas (conforme se veio a verificar...).




Uma vez chegados ao local, os nossos artilheiros apressaram-se a proceder à colocação e posicionamento da nossa peça de artilharia, mais precisamente junto à muralha voltada a poente e direccionada ao centro da cidade de Lisboa, para evitar o risco de que os respetivos disparos passassem despercebidos.


Uma vez que o tempo disponível era escasso e a pólvora disponível era muita, os nossos soldados puseram de imediato mãos à obra, até porque os nossos camaradas da Associação Portuguesa de Recriação Histórica foram os primeiros a dar início às "hostilidades", por via dos disparos que começaram de imediato a efetuar na respetiva peça de artilharia medieval (denominada Falcão ou Falconete).

 
Estamos em crer que as demonstrações realizadas por ambas as associações histórico-culturais foram do agrado dos inúmeros visitantes do Castelo, a esmagadora maioria dos quais estrangeira, tendo constituído uma oportunidade única de reunião de peças de artilharia de épocas históricas distintas no Castelo de S. Jorge, o que proporcionou um enquadramento perfeito para a comemoração do Dia Nacional dos Castelos.

 

Uma conjugação perfeitamente fortuita de condições atmosféricas favoráveis e de uma ligeira brisa de final de dia, resultou em que os disparos das várias peças de artilharia presentes neste evento tivessem tido um eco e uma repercussão imprevistos na cidade de Lisboa, para as quais muito pouco deve ter contribuído o facto de estarem a ser utilizadas cargas com cerca de 300 gramas de pólvora negra.

Foi possível tirar estas ilações do facto de terem circulado rumores (ainda não confirmados...) no sentido de que os disparos das peças de artilharia estiveram na origem do acionamento de diversos alarmes, em viaturas automóveis e em casas de habitação, designadamente nas zonas circundantes ao Castelo de S. Jorge.

AQUI pode ser visualizado um video de alguns dos disparos realizados.

Estes e outros rumores tiveram a sua origem, muito provavelmente, no facto de a simpática população de Lisboa não estar familiarizada com o troar dos canhões. Em Almeida, por exemplo, os rumores que circulam vão no sentido de que o troar dos canhões é utilizado para adormecer os bébés...

Deve ser a força do hábito...

Foi para nós um prazer colaborar com os nossos camaradas da APRH nesta proveitosa iniciativa histórico-cultural, a quem agradecemos o convite formulado e as atenções e o apoio dispensados no decurso de todo o evento.

Imagens gentilmente cedidas por Sofia Monteiro.


Pedro Casimiro





Recriação Histórica da Batalha de Bailén: dias 7, 8 e 9 de outubro de 2016 - Reportagem fotográfica




Caríssimos(as),
Depois de um final de semana muito agitado, é bom saber que todas as nossas tropas já regressaram aos quartéis e que todos voltaram bem e de boa saúde!


Depois de uma semana cheia de perípécias, algumas delas bem infelizes, ficou reduzido a quatro, o número de soldados de infantaria que teve possibilidade de se deslocar à Andaluzia, a fim de participar em mais uma recriação histórica realizada em Bailén.

E os heróis que se dispuseram a fazer esta (longa e dura...) deslocação, foram os nossos soldados de infantaria Palanca, Paulo, Pina e Rafael, cujos nomes merecem ficar registados para a posteridade, de molde a poderem servir de inspiração e de exemplo à realização novos atos de dedicação à nossa Causa, por parte dos demais elementos do GRHMA!




Este evento contou com a presença de diversos grupos provenientes de toda a Espanha, tendo em conta que no decurso do mesmo foi realizada uma cerimónia evocativa do falecimento de um estimado companheiro recriador histórico, D. Pedro Soriano Heredia.


Em nome e em representação do GRHMA, o nosso camarada Palanca procedeu à entrega de uma medalha à viúva de D. Pedro Soriano e apresentou as necessárias condolências pela perda sofrida.


Esta foi também uma oportunidade para revermos alguns amigos com quem já não contatávamos há algum tempo, como foi o caso dos elementos da Asociación Histórica Málaga Recreadora, que estão a fazer uma campanha muito meritória de angariação de fundos, destinada à construção de um monumento evocativo da memória do General Teodoro Reding e dos Heróis de Bailén.


Os nossos amigos da Asociación de Recreación Histórica Voluntários de Madrid também estiveram presentes em Bailén, com a sua habitual postura marcial impecável.


Tal como sucedeu com os membros da Asociación Historico-Cultural "Tarifa 1812" que aqui podemos ver no ato de "confecionar" cartuchos.


E aqui podemos ver os nossos heróis, a (tentar...) retemperar as forças com uma refeição, antes dos duros combates que se avizinhavam!


Eu usei o verbo "tentar" propositadamente, pois os nossos soldados, que há meses andavam a queixar-se de um susposto excesso de peso e de que precisavam de fazer dieta, receberam uma refeição propositadamente frugal da organização do evento, de molde a que para estes nossos elementos a participação neste evento constituiu uma oportunidade única para receberem um duplo benefício: uma visita de natureza histórico-cultural à simpática cidade de Bailén, complementada com uma redução acentuada de peso corporal...


Pedro Casimiro



quarta-feira, 5 de outubro de 2016

"La Sorpresa de Arroyomolinos" (Espanha): dias 28, 29 e 30 de outubro de 2016, em Arroyomolinos



Caríssimos(as),

Para demonstrar, uma vez mais, que no GRHMA as armas e as peças de artilharia não conseguem ganhar ferrugem e que os nossos soldados não conseguem estar parados nas Casernas, nos próximos dias 28 a 30 de outubro está prevista a nossa participação em mais uma excelente recriação histórica realizada em Espanha, destinada a comemorar o 205.º aniversário do combate usualmente apelidado de "Sopresa de Arroyomolinos", ocorrido no dia 28 de outubro de 1811.

Naquela data, uma divisão do Exército Luso-inglês, comandada pelo Tenente-general Sir Rowland Hill e auxiliada por um destacamento de cerca de 2.000 soldados espanhóis, conseguiu surpreender e praticamente aniquiliar uma divisão de cerca de 5.000 homens do Exército Imperial Francês, comandada pelo General Jean Baptiste Girad.

Neste combate houve uma brigada de infantaria portuguesa (5ª Brigada, sob o comando do Coronel Charles Ashworth) que teve um papel de destaque e que era composta pelo Regimento de Infantaria nº 6, pelo Regimento de Infantaria nº 18 e pelo Batalhão de Caçadores nº 6. Uma das singularidades desta unidade estava associada ao facto de que o respetivo recrutamento, à época, ser feito  predominantemente na cidade Porto e na área geográfica envolvente.

Como todos sabem, o Batalhão de Caçadores nº 6 é uma das unidades histórico-militares recriadas pelo GRHMA. Só falta mesmo é haver soldados provenientes do Porto, integrados nesta unidade...

Será para nós um prazer rever e colaborar novamente com os nossos(as) camaradas e amigos(as) das associações de recriação histórica de Arroyomolinos, que se dedicam a organizar anualmente este evento cultural para promoção e divulgação do respetivo património histórico, sempre com limitadíssimos apoios, a nível institucional.


Pedro Casimiro




domingo, 2 de outubro de 2016

Recriação Histórica da Batalha de Bailén(Baylén): dias 7, 8 e 9 de outubro de 2016


Caríssimos(as),

Demonstrando a versatilidade dos elementos do GRHMA, no próximo dia 7 de outubro e na mesma altura em que um destacamento de artilharia do nosso Regimento de Artilharia nº 4 vai participar num evento em Lisboa, um destacamento de bravos soldados do Regimento de Infantaria nº 23 irá fazer uma dura viagem de cerca de 1.200 Km, a fim de participar na edição de 2016 da memorável Batalha de Bailén, ocorrida no dia 19 de julho de 1808.

Enquanto no GRHMA existirem soldados zelosos e dedicados deste calibre, sem dúvida que continuará assegurada uma defesa vitoriosa do nosso património histórico-cultural, associado às chamadas Invasões Francesas.

O interessante programa deste evento pode ser consultado AQUI.

Este acontecimento histórico possuiu uma relevância muito importante na medida em que se traduziu na primeira derrota sofrida por um Exército Francês na Península Ibérica e que deu, por isso, um ânimo reforçado à resistência, militar e popular, contra a ocupação Napoleónica.

Esta deslocação constituirá igualmente uma oportunidade para transmitirmos pessoalmente os nossos sentimentos de pesar pelo falecimento do nosso camarada recriador histórico, D. Pedro Soriano Heredia, que era membro da Associación Cultural de Recreación Histórica "Bailén por la Independencia". Será também uma oportunidade para revermos os nossos camaradas e amigos de Bailén, que desde há muitos anos são participantes, assíduos e dedicados, do Cerco de Almeida.


Pedro Casimiro




sábado, 1 de outubro de 2016

"400 Anos de Artilharia no Castelo": Castelo de S. Jorge (Lisboa), dia 7 de outubro de 2016





Caríssimos(as),

No próximo dia 7 de outubro, um destacamento do Regimento de Artilharia nº 4 do GRHMA irá deslocar-se a Lisboa, mais precisamente ao Castelo de S. Jorge, a fim de colaborar com os nossos amigos da Associação Portuguesa de Recriação Histórica, numa iniciativa denominada "400 Anos de Artilharia no Castelo", integrada nas comemorações do Dia Nacional dos Castelos.

Este evento irá ter lugar por volta das 18.00 horas e será uma oportunidade única para os cidadãos(ãs) de Lisboa poderem apreciar ao vivo as evoluções e as manobras associadas à movimentação de uma peça de artilharia de campanha, utilizada no decurso das Invasões Francesas.

A nossa intervenção irá estar associada a uma demonstração de artilharia e de pirobalística do início do século XIX, mas sem dúvida que existirão muitas outras demonstrações temáticas semelhantes, alusivas a outros períodos históricos, que irão fazer as delícias do público presente

Restará saber se as muralhas do Castelo de S. Jorge estão num estado de conservação tal, que lhes permita sustentar as ondas de choque provocadas pela nossa possante peça de artilharia.

Logo veremos...


Pedro Casimiro