Clique na Imagem

sexta-feira, 24 de março de 2017

WARGAMES no Centro de Interpretação da Batalha do Vimeiro (dia 25 de março de 2017)


Caríssimos(as),

No próximo dia 25 de março de 2017 está prevista a realização de mais uma interessante iniciativa no Centro de Interpretação da Batalha do Vimeiro (CIBV), que visa promover uma perspetiva diferente da Batalha do Vimeiro, através da criação de um cenário tridimensional e à escala, quer do terreno onde se desenvolveu a batalha, quer das forças militares em presença.

Para este efeito, o CIBV irá contar com a colaboração da bem conhecida Associação de Jogos de Simulação de Portugal (AJSP), que é uma das mais antigas e credenciadas entidades que em Portugal se dedica, com rigor, à promoção e à divulgação dos chamados jogos de simulação, na vertente histórica e não só.

Este evento irá envolver, designadamente, uma explicação da Batalha do Vimeiro num cenário tridimensional, um workshop de pintura de figuras napoleónicas à escala, bem como uma introdução aos chamados jogos de guerra / wargames, que constituem, também, uma forma de desenvolvimento e de aprofundamento do conhecimento da História.

Será sem dúvida mais um evento a não perder e com o selo de qualidade do CIBV, que se integra na agenda para o ano de 2017 desta entidade, denominada "Vimeiro na Rota do Turismo Militar".

Mais informações acerca deste evento podem ser encontradas AQUI.



Pedro Casimiro




quinta-feira, 23 de março de 2017

10ª Edição da Escola do Soldado: Almeida, dias 17, 18 e 19 de março de 2017 - Reportagem fotográfica (2ª Parte)


Caríssimos(as),

Esta edição da Escola do Soldado serviu também para os elementos do nosso Departamento Civil exibirem, com merecido orgulho e vaidade, o produto do seu labor!

Nas semanas que antecederam a realização deste evento, decorreu a realização de um workshop intitulado "Faça você mesmo um chapéu de dama", sob a orientação técnica da nossa amiga Beatriz Fonte, destinado à recriação de chapéus em uso no início do séc. XIX pelas senhoras dos estratos sociais mais elevados.



Os trabalhos (manuais) associados à confeção dos chapéus decorreram nas instalações do CEAMA, em Almeida, durante vários dias, no decurso dos quais os nossos elementos civis dedicaram-se de alma e coração à reprodução destes interessantes adereços femininos de época, de conformidade com modelos obtidos através da necessária investigação histórica em fontes bibliográficas e iconográficas, bem como através de exemplares existentes em diversos museus.


E a importância deste trabalho era tal que até o Sr. Vereador António Machado, da Câmara Municipal de Almeida, não prescindiu de fazer uma visita à "oficina" dos chapéus, a fim de verificar o andamento e o resultado dos trabalhos!




E que resultados!

O zelo e a dedicação destes nossos elementos civis resultaram na produção de magníficos exemplares de chapéus de época, que deixaram boquiabertos todos quantos tiveram o privilégio de os contemplar!




Claro está que, no final dos trabalhos foi necessário fazer as necessárias provas, para verificar se as formas e os tamanhos estavam de conformidade com as respetivas usuárias...





O sucesso desta iniciativa foi de tal ordem que o Museu Histórico-militar de Almeida promoveu a organização de uma excelente exposição destes magníficos chapéus, a qual, segundo creio, ainda está disponível e merece ser visitada!
 



No entanto, os chapéus, por si só, não contam toda a história do traje feminino do início do século XIX, por isso é que os dedicados elementos do nosso magnífico Departamento Civil já estão a trabalhar na confeção dos vestidos de época adequados aos adereços de cabeça já criado.


E aqui temos algumas das senhoras do nosso Departamento Civil, devidamente ataviadas e a estrear os seus chapéus de época, com a alegria e boa disposição que lhes é caraterística.

Bem haja pelo vosso excelente trabalho!


Autoria das fotos: Paulinha, Bia e Carlos Marques.


Pedro Casimiro



quarta-feira, 22 de março de 2017

10ª Edição da Escola do Soldado: Almeida, dias 17, 18 e 19 de março de 2017 - Reportagem fotográfica (1ª Parte)


Caríssimos(as),

Concluiu-se no passado final de semana a edição deste ano da nossa Escola do Soldado, que está a caminho de se afirmar como um evento incontornável no panorama histórico-cultural nacional, em complemento ao nosso evento anual do Cerco de Almeida, habitualmente realizado no mês de agosto.



Como já vem sendo hábito, o início da Escola do Soldado ficou marcado por um desfile histórico-militar, que partiu do centro da fortaleza e se dirigiu ao cemitério de Almeida, que fica situado fora das Portas, onde participaram todos os intervenientes neste evento.

 



Uma vez chegados ao cemitério foi realizada uma singela mas muito sentida homenagem aos elementos do GRHMA já falecidos (Paulo, Hugo e Orlando), junto à lápide tumular do nosso camarada Paulo Amorim, renovando por este meio o compromisso assumido no sentido de manter viva a memória destes nossos camaradas, através de palavras e de atos.

Na mesma altura foi também evocado o recente óbito do igualmente nosso camarada e amigo D. Esteban Fernandez, dos Voluntarios de la Victoria (Ferrol), falecido no passado mês de fevereiro deste ano.

Brevemente serão colocadas neste espaço mais imagens, relativas aos mais diversos eventos integrados no recheado programa deste interessante evento.


Autoria das imagens: Carlos Marques.


Pedro Casimiro




terça-feira, 14 de março de 2017

Cerimónia evocativa do Combate de Redinha: dia 12 de março de 2017 - Reportagem fotográfica



Caríssimos(as),

Este mês de março de 2017 está a ser um mês em grande, para os nossos camaradas da Associação para a Memória da Batalha do Vimeiro (AMBV)!

Pois é, depois de uma estenuante deslocação a França, realizada há poucos dias atrás, os soldados do Vimeiro fizeram-se outra vez à estrada e viajaram até à simpática localidade de Redinha, a fim de participarem numa interessante cerimónia evocativa de mais um facto histórico relevante relacionado com as Invasões Francesas, que mereceu um considerável acolhimento e participação, por parte da população local.


Aqui podemos ver a ponte romana de Redinha, situada sobre o rio Anços, que há cerca de 200 anos atrás foi palco de encarniçados combates entre o exército imperial francês e o exército luso-inglês.



E cá estão estes nossos camaradas, com a sua habitual postura marcial, que em muito contribuíram para abrilhantar este evento e despertar o interesse do público em assistir ao mesmo.



E para prova que nem só com soldados se recria a História, aqui temos uma imagem relativa a alguns dos elementos do departamento civil da AMBV!

Os registos militares desta época revelam que existia um numeroso contingente civil que acompanhava, em regime de permanência, as unidades militares, mesmo quando estas se deslocavam em campanha e combatiam. Esse contingente civil era composto quer pelas mulheres e os filhos dos soldados, quer pelos mais diversos artesãos que prestavam serviços ao exército, existindo inclusive registos documentais de época (designadamente elaborados ao nível das Brigadas de Infantaria portuguesas) onde constavam os nomes e a proveniência destes civis. 


Os nossos camaradas da AMBV estão de parabéns pelo trabalho e esforço que vêm desenvolvendo, em regime de voluntariado e com assinalável dedicação, em prol do património histórico-cultural da Lourinhã e em especial pela memória da Batalha do Vimeiro.

Todavia, os "trabalhos" dos nossos amigos da AMBV deste mês de março ainda não acabaram, pois estamos a contar com a respetiva presença no próximo final de semana em Almeida, a fim de participarem na nossa Escola do Soldado!


Autoria das imagens: AMBV


Pedro Casimiro





sábado, 11 de março de 2017

Cerimónia evocativa do Combate de Redinha: dia 12 de março de 2017



Caríssimos(as),

Aqui fica uma nota relativa a mais um evento evocativo relacionado com a Guerra Peninsular, que se irá realizar na formosa vila de Redinha, concelho de Pombal, amanhã dia 12 de março, destinado a recordar o confronto bélico ocorrido nessa localidade no dia 11 de março de 1811, por altura da retirada do exercito imperial francês do território nacional, depois do xeque-mate estratégico sofrido pelo Marechal Massena em frente ao complexo defensivo das chamadas Linhas de Torres, organizadas pelo General Wellington para defesa de Lisboa.

Á semelhança do que sucedeu em inúmeras localidades portuguesas da época, afetadas pelo flagelo trazido pela guerra, tratou-se de um evento traumático para a freguesia de Redinha, que deixou marcas profundas na memória coletiva da respetiva população.

Este evento revela que a afoita população de Redinha tem bem presente a sua História e que quer contribuir para promover e divulgar pelas gerações mais jovens o seu património histórico-cultural, contando para o efeito com a colaboração dos nossos camaradas e amigos da Associação para  Memória da Batalha do Vimeiro, que irão contribuir, com a sua presença e com a sua habitual postura marcial, para evocar mais este episódio marcante da nossa História.



Pedro Casimiro






quinta-feira, 9 de março de 2017

Reconstituição histórica do Combate de Aire sur l'Adour (4 e 5 de março de 2017) - Reportagem fotográfica


Caríssimos(as),

O prometido foi cumprido! Conforme estava previsto, os nossos camaradas e amigos da Associação para a Memória da Batalha do Vimeiro deslocaram-se ao sul de França a fim de marcarem presença no evento evocativo dos 203 anos do combate de Aire sur l' Adour, que foi um dos preliminares da famosa Batalha de Toulose (ocorrida a 10 de abril de 1814) que foi um dos último atos da Guerra Peninsular, pelo menos no que ao exército luso-inglês dizia respeito.

Nesta altura da História, já os exércitos imperiais franceses tinham sido expulsos da Península Ibérica e os combates tinham agora lugar em pleno território francês, invadido pelo sul pelos aliados portugueses, ingleses e franceses e invadido pelo norte pelos restantes aliados da chamada Sexta Coligação (Prussia, Russia, Áustria e Suécia).
 

E aqui podemos ver os nossos camaradas em plena marcha, para alcançar os seus objetivos histórico-militares (resta apenas saber se a marcha começou no Vimeiro...)


Os soldados franceses de cavalaria ligeira bem que desenvolveram aturados esforços no sentido de impedir a chegada das tropas portuguesas a Aire sur l'Adour, mas tais esforços revelaram-se infrutíferos, face à determinação lusitana.


Aqui podemos ver alguns dos nossos camaradas franceses da Divisão Harispe, que se dedicaram a organizar este excelente evento e a quem agradecemos o convite enviado e os esforços desenvolvidos, no sentido de que no mesmo estivesse presente uma delegação portuguesa.





E aqui temos os bravos soldados do Regimento de Infantaria nº 19 e do Batalhão de Caçadores nº 6, dispostos no campo de batalha e prontos a para evocar, uma vez mais, o esforço e a determinação dos nossos antepassados, que combateram na Guerra Peninsular!


Cá está o nosso valente soldado Zé Maria, que não perdeu uma oportunidade para exibir, sempre que possível, a excelente bandeira regimental do Regimento de Infantaria nº 19!

Bem haja a estes nossos camaradas do Vimeiro, pelo investimento que fizeram nesta longa e difícil deslocação rodoviária até França, a fim de participarem num evento que se destinava, também, a evocar a memória dos soldados portugueses que há cerca de 200 anos, trabalharam arduamente para garantir a defesa e a independência da nossa Pátria.


 Autorias das imagens: AMBV.


Pedro Casimiro






segunda-feira, 6 de março de 2017

XXI Feira do Fumeiro e Artesanato de Almeida (dias 25 a 28 de fevereiro) - Reportagem fotográfica


Caríssimos(as),

Entre os passados dias 25 a 28 de fevereiro decorreu na formosa vila de Almeida mais um evento de promoção e de desenvolvimento turístico regional, que se traduziu na XXI edição da já famosa Feira do Fumeiro, organizada pelo Município de Almeida!



Tratou-se de mais um evento que contribuiu para atrair à vila de Almeida um número muito significativo de visitantes, que tiveram não só uma oportunidade para beneficiar dos vários eventos musicais e culturais existentes, como também para fazer uma prova dos mais diversos e saborosos produtos existentes, da gastronomia regional.


E, como não podia deixar de ser, o GRHMA também marcou presença neste evento!



Aqui podemos ver algumas das mais simpáticas e elegantes senhoras que integram o departamento civil do GRHMA, que no decurso deste evento se dedicaram a promover e a divulgar a atividade desenvolvida pela nossa associação histórico-cultural, em prol do património histórico-militar da vila de Almeida.
 

E nesta imagem podemos visualizar o nosso sargento, do Regimento de Artilharia nº 4, Joaquim Guedes. Ou não será antes o nosso alferes, do Regimento de Milícias da Feira, Joaquim Guedes?

Bem, agora até eu fiquei um pouco confuso, pois tal é a versatilidade deste nosso camarada, ao usar os mais diversos fardamentos histórico-militares de que é possuidor...

O que é certo, porém, é que foi este o único elemento militar que se deslocou à vila de Almeida e se apresentou ao serviço neste evento, a fim de dar o seu contributo, em termos de promoção e de divulgação da atividade histórico-cultural do GRHMA.

O que ouvi dizer foi que os demais e numerosos soldados de infantaria e de artilharia do GRHMA (incluíndo o seu comandante...) andavam fora da fortaleza de Almeida, a realizar difíceis e cansativas manobras militares, por montes e vales!

O que vale é que está iminente o recrutamento de um novo e numeroso contingente de cavalaria para o GRHMA, que vai ajudar a suprir estas dificuldades pontuais de pessoal, para "guarnição" de alguns eventos...


Pedro Casimiro