terça-feira, 21 de julho de 2015

Recriação Histórica Comemorativa dos 207 Anos da Batalha do Vimeiro - dias 17 a 19 de julho de 2015


Caríssimos(as),

Graças, uma vez mais, à colaboração da nossa amiga Paula Ferreira, venho trazer-vos mais um conjunto de excelentes imagens, relativas a mais um evento que contou com a participação do GRHMA.

Fica, mais uma vez, demonstrada a dedicação que todos os nossos elementos dispensam a esta "causa", uma vez que, apesar de no passado fim de semana termos realizado uma deslocação longa e desgastante a França, ainda assim existiu um grupo considerável de voluntários disponível para participar neste evento, abdicando assim de um período de descanso e de convívio familiar em prol do grupo.

Bem haja a todos!


Aqui podemos ver alguns elementos do Grupo de Recriação Histórica do Vimeiro (GRHV), que fizeram a sua estreia em "combate", neste evento, recriando o famoso Regimento de Infantaria nº 19.

O nosso sargento Carlos Alves, que também é visível na imagem, fez o favor de assumir a tarefa de coordenar os elementos do GRHV no decurso deste evento, prestando um inestimável apoio aos mesmos e contribuindo para a respetiva eficácia operacional.


Os nossos amigos Faria e Silva e Joaquim Guedes tiveram um contributo muito relevante para o sucesso deste evento.



Aqui temos o nosso amigo Rui Silva, que teve a seu cargo a coordenação dos soldados de infantaria do GRHMA, durante este evento, onde fez um excelente trabalho.



E cá estão algumas das nossas recriadoras históricas favoritas, que com a sua presença contribuíram para dar um brilho especial a este evento!


Tal como sucedeu com a nossa amiga Eunice Guedes (a.k.a. Zé Manel...), que mostra a sua versatilidade, pois tanto consegue encarnar uma dama frágil e delicada do início do séc. XIX, como consegue integrar uma linha de soldados de infantaria e manusear o seu mosquete com total eficácia!


O nosso amigo Vasco Belchior participou neste evento, utilizando o seu excelente uniforme de infantaria de linha francesa 


Este evento também contou com a participação de vários amigos espanhóis, que são também participantes habituais no evento anual de Almeida, tais como os recriadores históricos de Arroyomolinos e de Bailen.




Tal como sucede com Almeida, a localidade do Vimeiro possui uma associação indelével à época das Invasões Francesas. É na verdade louvável e de sublinhar o investimento que, quer a Junta de Freguesia do Vimeiro, quer a Câmara Municipal da Lourinhã, vêm efetuando, no sentido da promoção e salvaguarda do correspondente património histórico-cultural, de que a criação do GRHV é apenas um dos reflexos.



O evento contou com a presença de uma quantidade assinalável de público, que mostrou um considerável entusiasmo com os combates realizados.




 Hoje, como no séc. XIX, um exército marcha sobre o seu estômago!

Por isso é que as refeições são uma parte essencial das recriações históricas e constituem um fator importante para os soldados, pois uma boa refeição sempre dá um ânimo especial às tropas, para enfrentar os riscos e perigos do campo de batalha... 

E, pelos vistos, os nossos amigos do Vimeiro não se pouparam a esforços para agradar aos nossos soldados!




E os banquetes foram de tal ordem que, como podemos ver através do exemplo do nosso amigo Palanca, os nossos soldados precisaram de fazer uma pausa após todas as refeições!



Pedro Casimiro









sexta-feira, 17 de julho de 2015

A Epopeia do Bicentenário da Batalha de Waterloo! - 3




Caríssimos(as),

Em resposta a muitos pedidos, venho trazer-vos mais algumas imagens relativas ao grandioso bicentenário da Batalha de Waterloo, realizado no passado mês de junho, de molde a que fique para a posteridade este momento, e provavelmente irrepetível, no âmbito da recriação histórica!


Como habitualmente, para chegar, primeiro foi preciso marchar. E marchas fizemos muitas!

Acho que todos os participantes neste evento emagreceram entre 3 a 4 Kg...


Uma vez chegados ao campo de batalha, esperamos, e muito!

 Foi complicada a logística necessária para fazer convergir para o mesmo local cerca de 6 a 7 mil pessoas, armadas com mosquetes, espadas, peças de artilharia, etc, sem contar com a numerosa cavalaria.


Aqui temos o nosso pelotão de infantaria, em formação linear e pronto para o combate.


A nossa artilharia também teve um "chá de espera", antes de ser autorizada a fazer fogo à peça.



Aspeto geral das linhas de infantaria, com as bancadas para o público ao fundo.


E claro, não podia faltar à batalha o Imperador Napoleão I!

Conforme já referi num anterior "post", tivemos há pouco tempo a oportunidade de conviver novamente com o Imperador Napoleão, em Fouras, a quem oferecemos, por cortesia do Município de Almeida, algumas garrafas de um excelente vinho da Beira Alta, facto que Napoleão muito agradeceu!


O descanso dos guerreiros!

Não há nada como voltar ao acampamento depois dos combates, e beber um bom copo de...chá.

Para um conjunto de imagens fantástico deste evento não deixem de visitar o facebook do GRHMA, e o facebook do nosso amigo Valiskha.



Pedro Casimiro





Fouras-les-Bains (dias 10, 11 e 12 de julho de 2015) Bicentenário do Exílio de Napoleão para a Ilha de Santa Helena (15 de julho de 1815) - 2


Caríssimos(as),

Conforme prometido, aqui fica mais uma fecunda reportagem, relacionada com a recente deslocação do GRHMA por terras de França, passando por Espanha, porque desta vez não tivemos o privilégio (e o prazer...) de fazer a viagem de avião.


E, como é evidente, aquilo que estava na mente de todos à chegada eram as iguarias que estariam à nossa espera, tendo em conta a fama de que beneficia a cuisine française!

E, à chegada ao acampamento, a coisa prometia!

Mal chegamos, a nossa atenção dirigiu-se inevitavelmente para as fogueiras e as para as iguarias que lá podiam estar a ser cozinhadas, em adequado enquadramento de época.




Com o estômago na mente (esta malta só pensa em comer...), toda a gente se apressou a arranjar uma mesa e esperar aquilo que esperavamos ser um inigualável banquete, reminiscente daqueles que todos estamos habituados a ler na literatura francesa (do tipo Astérix). 



Ora bem, como podem constatar através da imagem supra, não é que o resultado final não fosse satisfatório, mas não era bem aquilo que estávamos à espera...

Ainda não foi desta vez que comêmos à grande, e à francesa...


Aqui podemos ver o nosso oficial de marinha, Eng Faria e Silva, que esteve a comandar o nosso numeroso destacamento de marinheiros.



Aqui podemos ver o comandante do GRHMA a tentar convencer um francês a vir ao evento de Almeida, que se irá realizar este ano. E não foi preciso muito esforço, para o conseguir...


O nosso amigo Carlos Alves foi um dos primeiros que, em busca da "boa vida" que foi prometida, se voluntariou para o destacamento de marinha. No entanto, parece que afinal foram mais as vozes, do que as nozes, no que respeita à tal "boa vida"...


O nosso amigo Fernando Fonseca é que não foi em promessas, e manteve-se fiel ao Regimento de Artilharia nº 4.


E aqui podemos ver as duas senhoras mais elegantes e simpáticas que estiveram presentes neste evento e que, só por mera coincidência, são também membros do nosso grupo.


Como sempre, depois dos "combates", foi preciso fazer as malas e carregar o equipamento, para a (longa...) viagem de regresso. Aqui podemos ver os nossos elementos a executar várias tarefas nesse sentido.


E aqui podemos ver o comandante do GRHMA, já uniformizado à civil, a fazer de conta que também ajudou a carregar as viaturas de transporte...


Bem haja, uma vez mais, à Paulinha pelo envio destas excelentes imagens!


Pedro Casimiro





quarta-feira, 15 de julho de 2015

Fouras-les-Bains (dias 10, 11 e 12 de julho de 2015) Bicentenário do Exílio de Napoleão para a Ilha de Santa Helena (15 de julho de 1815)


Caríssimos(as),

Este ano continua a prometer ser um dos mais trabalhosos de sempre, para o nosso grupo de recriação histórica!

Desta vez coube-nos fazer uma deslocação à simpática localidade de Fouras-les-Bains, localizada perto de La Rochelle, na região Noroeste da França, para participar num evento organizado pelos nossos bons amigos franceses da Guarde Chauvin. 

E que deslocação!

Em pouco mais de três dias fizemos cerca de 2.500 km (ida e volta), se contarmos as deslocações feitas pelos elementos provenientes do Porto, Lisboa e Almeida. No entanto, a viagem valeu desde logo a pena, porquanto quando chegamos ao acampamento histórico, em Fouras, a primeira coisa que vimos foi a bandeira portuguesa a drapejar ao vento, colocada pelos nossos amigos franceses e que constitui um reflexo da estima que nos dispensam.

Bem haja!


Aqui podemos ver Sua Magestade Imperial, o Imperador Napoleão I, a fazer uma revista às tropas!

Durante esta revista e quando chegou perto das tropas portuguesas, o Inperador Napoleão deve ter achado que eu tinha pinta de soldado bravo e valente, e ofereceu-me uma valiosa moeda de prata como recompensa de serviços prestados! 

Historicamente, este gesto era muito utilizado pelos oficiais superiores, para recompensar os seus soldados, e era também muito apreciado pelos soldados, quer pelo contexto de reconhecimento público em que era normalmente feito, quer pelo facto de representar um acréscimo sempre bem-vindo ao (parco...) soldo militar.

No entanto, uma inspeção mais aprofundada revelou que a moeda entregue era apenas uma réplica, e não um original. Ficaram, deste modo, por terra as minhas ilusões de fazer umas férias prolongadas à custa da moeda do Imperador Napoleão...


Na imagem supra podemos ver o nosso estimado amigo Daniel Dieu a fazer a revista às tropas. O Daniel há várias décadas que dedica muito tempo e um considerável esforço à recriação histórica e teve, uma vez mais, uma contribuição muito relevante para o sucesso deste evento.


Aqui temos o nosso estimado amigo Eng. Faria e Silva, que para este evento utilizou um uniforme de oficial superior da Marinha Britânica. 

E como não pode deixar de ser, noblesse oblige! Como oficial superior, o Faria e Silva não podia fazer as refeição utilizando pratos de metal ou de madeira, como um reles soldado. 

Nada disso! Um oficial que se preza usa copo de cristal, talheres de prata e um prato de porcelana!

Isto é o que se chama dar o exemplo, no que toca à recriação histórica, pois encarnar devidamente personagens históricos envolve sempre um esforço considerável (em termos de tempo e dinheiro...).


E aqui podemos ver a transformação em que incorreram os soldados de infantaria do GRHMA!

Pois é, a nossa infantaria sofreu uma transformação profunda e converteu-se à Marinha. Isto só foi possível graças à cedência de uma quantidade considerável de peças e de equipamento por parte de vários camaradas e amigos de Lisboa. Bem haja pela vossa colaboração!

Por outro lado, até eu fiquei surpreendido com a total adesão dos nossos soldados, quando foi feita uma chamada para voluntários para a Marinha. Claro que nada disso teve a ver com o facto de terem sido feitas abundantes promessas de muitos copos e de boa vida, para todos os voluntários que se apresentassem ao serviço...


Isto é que é vida de marinheiro!


Aqui podemos ver o Tó a demonstrar as técnicas de assalto e de abordagem, que lhe ficaram do tempo em que era marinheiro na Armada portuguesa.


As nossas tropas aproveitaram o tempo disponível de sábado para conhecer a vila de Fouras-les-Bains e fazer algum turismo histórico-cultural.

Brevemente haverá mais...

Pedro Casimiro




quinta-feira, 2 de julho de 2015

Feriado Municipal de Almeida - 2 de julho de 2015


Caríssimos(as),

Graças à colaboração da nossa excelente fotógrafa Paula Ferrreira, venho trazer-vos algumas imagens relacionadas com as comemorações do feriado municipal, que hoje se celebra na Vila de Almeida.

Também este feriado municipal sublinha a interligação, diria quase umbilical, entre a Vila de Almeida e a história de Portugal, em geral, e o património histórico-cultural do concelho de Almeida, em particular, associado às chamadas Invasões Francesas. Este dia de feriado evoca o importante Combate do Rio Côa, ocorrido no dia 24 de julho de 1810, no início da chamada Terceira Invasão Francesa, de que o nosso país foi alvo no início do séc. XIX.



A cerimónia do içar das bandeiras contou com a presença de autoridades locais, bem como com a participação, designadamente, de um destacamento do nosso Grupo de Reconstituição Histórica do Município de Almeida e dos Bombeiros Voluntários de Almeida.




Na cerimónia solene evocativa, realizada nos Paços do Concelho, foi feita, além do mais, uma referência e um reconhecimento público do trabalho que vem sendo desenvolvido pelos diversos elementos nosso grupo, em regime de voluntariado, em prol da promoção e divulgação do concelho de Almeida.


Aqui temos a Paulinha e o Armindo em passeio pelas tipicas ruas de Almeida, que neste dia ficaram adornadas e em clima de festa!


Aqui temos nossa fotógrafa "oficial", cuja mestria técnica me tem permitido trazer-vos estas imagens com uma coloração especial e muito atraente. 


Aqui temos dois dos nossos soldados (do R.A. nº 4 e do Batalhão de Caçadores nº 6) em serviço de guarda e sentinela a uma das tabernas típicas de Almeida (embora não tenha a certeza se objetivo era impedir a entrada, ou obstar à saída de alguém, em especial...).



Alguns copos da típica ginjinha de Almeida sempre ajudam a aliviar o calor...


Bem haja aos nossos elementos que, uma vez mais, se disponibilizaram para colaborar em mais esta iniciativa.


Pedro Casimiro