Clique na Imagem

quarta-feira, 26 de abril de 2017

Comemoração da Revolução do dia 25 de abril de 1974


Caríssimos(as),

Seguindo uma tradição de décadas, o Município de Almeida organizou uma vez mais uma cerimónia oficial evocativa da chamada Revolução dos Cravos, ocorrida no dia 25 de abril de 1974, que resultou na implantação em Portugal do sistema de democracia representativa.



Independentemente das divergências, designadamente a nível político, que esta comemoração continua a despertar em diversos setores da sociedade, está de facto em causa um acontecimento com uma relevância inegável na História de Portugal e que marcou profundamente várias gerações de cidadãos(ãs) portugueses.

Também por este motivo é que o GRHMA acedeu ao amável convite que recebeu para uma participação neste evento e continua a associar-se a esta relevante cerimónia evocativa, que se insere no seu objetivo estatutário de colaboração na promoção e na divulgação da História de Portugal.



Para além do contingente militar, este evento contou com uma presença significativa de elementos civis do GRHMA, que aproveitaram esta oportunidade para exibir os frutos do seu labor!

 

Aqui temos as nossas amigas Paulinha e Sandra, que exibem magníficos conjuntos de vestuário de época, complementados com os excelentes chapéus de senhora, que resultaram do workshop que foi recentemente organizado pela nossa amiga Beatriz Fonte.



As cores bege e lilás resultaram em combinações perfeitas, para estas nossas duas amigas.

 

O bege foi também a cor preferida por mais estas duas senhoras do nosso Departamento Civil, as quais, à semelhança dos demais elementos, complementaram o seu vestuário de época com o calçado adequado, agasalho e luvas, resultando em verdadeiros pináculos de elegância!


Elegância essa que também carateriza o conjunto utilizado pela nossa amiga Dionísa, apenas destoando neste conjunto o par de óculos utilizado (que me parece ser mais típico do séc. XXI, do que do séc. XIX...).


É sempre um prazer renovado, poder constatar o interesse e a dedicação dos elementos do nosso Departamento Civil, que se dedicam a investigar os costumes e as tradições em uso no início do séc. XIX, termos de vestuário de época, com vista a tentar reproduzir as mesmas com a fidelidade possível, em prol do rigor histórico e da promoção da atividade histórico-cultural do GRHMA.

Bom trabalho meninas!

Autoria das fotos: Paulinha.


Pedro Casimiro







segunda-feira, 24 de abril de 2017

Comemoração do dia de S. Jorge (Patrono Mundial do Escutismo) em Almeida: dia 23 de abril de 2017


Caríssimos(as),

Aqui fica mais uma prova de que o GRHMA está em todas!

No passado dia 23 de abril celebrou-se em Almeida o dia de S. Jorge, que foi adotado como Santo Padroeiro, pelo Movimento Mundial do Escutismo.

"S. Jorge (séc. III-IV) é um dos mais conhecidos santos da Igreja, e a sua reputação continua viva, em especial no Oriente, mas também um pouco por todo o mundo. Não há quaisquer pormenores históricos exactos sobre a vida deste santo da Igreja, sabendo-se, contudo, que o seu culto se espalhou rapidamente a partir da Palestina.

As lendas em torno desta figura insígne descrevem-no, geralmente, como cavaleiro da Capadócia (actual Turquia) que resgatou uma donzela de um dragão, gesto esse que levou ao baptismo de milhares de pessoas. É de referir que o pormenor lendário sobre a existência de um “dragão” foi um acrescento medieval à lenda já existente sobre S. Jorge. Mais tarde, vítima da perseguição do Imperador Diocleciano (244-311 d.C.), terá sido torturado e decapitado devido à fé que sempre e destemidamente defendeu. O seu martírio é celebrado liturgicamente pela Igreja no dia 23 de Abril
".

Persistem algumas dúvidas relativamente à origem da devoção a S. Jorge em Inglaterra, mas há dados que apontam no sentido de ter sido considerado protector da Ordem da Jarreteira, já no reinado de Eduardo III, no século XIV. Tendo o escutismo nascido em Inglaterra, Baden-Powell confiou, ao mesmo santo protector, o movimento escutista mundial. Por isso, S. Jorge é o patrono mundial do escutismo, representando a unidade dos escuteiros do mundo inteiro e, simultaneamente, o desejo de uma vida fiel e corajosa no cumprimento da vontade de Deus. Actualmente S. Jorge é o patrono de Inglaterra, dos soldados e dos escuteiros, e há mesmo numerosas igrejas em todo o mundo a ele dedicadas". (tirado daqui).





Nesta data, a vila de Almeida pareceu pequena, tal foi o fluxo de jovens escutas, provenientes das mais diversas localidades do território nacional que, com a alegria e a boa disposição que lhes é caraterística, trouxeram uma animação muito especial às ruas centenárias desta localidade beirã!



Na sequência de uma solicitação nesse sentido, formulada por um dos nossos mais antigos e dedicados elementos (o nosso cabo António José Coelho), que também é um elemento sénior do Movimento Escutista Nacional, foi com muito prazer que vários elementos do GRHMA se disponibilizaram para fazer uma participação simbólica neste evento, de molde a contribuir, com a sua presença e interação com os participantes do mesmo, para dar uma nota do trabalho histórico-cultural que vem sendo desenvolvido nesta localidade ao nível das chamadas Invasões Francesas bem como e principalmente, para fazer despertar nos mais jovens a curiosidade e o interesse, quer pelo estudo e descoberta da riquíssima História de Portugal, em geral, quer pela História e pelas Tradições da vila de Almeida, em particular.


Os soldados de infantaria e de artilharia do GRHMA encabeçaram o desfile que percorreu as ruas da vila de Almeida, a que se seguiu uma multidão de jovens escuteiros.


E, claro está, o São Jorge também foi devidamente convidado e marcou uma significativa presença neste evento!


Autoria das imagens: Paulinha e Armando Rui.

Pedro Casimiro





terça-feira, 18 de abril de 2017

Render da Guarda: Almeida, dia 15 de abril 2017


Caríssimos(as),

No passado sábado teve início o ciclo de eventos mensalmente realizados nas Portas de S. Francisco, em Almeida, denominado de Render da Guarda.

Este evento periódico tem por objetivo promover a realização de demonstrações e de recriações históricas simbólicas de uma das atividades militares típicas das guarnições das fortalezas, traduzida na colocação e no render das sentinelas, colocadas nas principais portas de acesso às mesmas.
 

Estando em causa unidades histórico-militares rigorosas, como o são todas as unidades que integram o GRHMA, a melhor maneira de começar qualquer atividade passa sempre pela realização de uma boa marcha, pelas ruas de Almeida.



Por via de regra, as sentinelas ficam sempre colocadas nas Portas de S. Francisco (mais propriamente designadas por Portas Duplas de S. Francisco da Cruz), que constituí a mais conhecida e principal via de acesso à fortaleza de Almeida e que possui, além disso, um simbolismo muito especial

"A Porta Exterior é já do séc. XIX, mas a Interior ou Magistral contém o portal monumental do séc. XVII, atribuído a Pierre Garsin (segundo o Tratado de Antoine de Ville). Ambas servem para orientar o visitante, remetendo a Sala de Armas da entrada da Praça-forte para o Museu Histórico-Militar de Almeida, do qual faz parte. No caso da Porta Magistral, distingue-se a cobertura à prova de bomba, quer no Trânsito quer no Corpo de Guarda, com compartimentos para tropas e oficiais, lareira e latrina. As cortinas laterais da muralha em ambos os lados da Porta foram reformadas após as brechas causadas pelo Cerco de 1810"(tirado daqui).


E aqui temos as duas fadas do Departamento Civil do GRHMA, que trabalharam arduamente na confeção de um verdadeiro banquete, para os soldados que se dispuseram a participar neste evento!



E cá estão alguns dos ingredientes usados nesta refeição celestial, todos eles rigorosamente selecionados e provenientes da mais pura agricultura biológica!
 


Ficou também memória para a posteridade do excelente vinho tinto especial, que foi oferecido às tropas pelo Comandante do GRHMA, para acompanhar esta copiosa refeição, cuja abertura e decantação ficou a cargo do nosso cabo Mário Alverca.


Os sucessivos brindes feitos pelo nosso amigo Palanca foram um dos sinais indicativos de que o vinho tinha qualidade e estava aprovado.

 

E aqui temos alguns dos dedicados elementos que se dispuseram a participar neste evento, a partilhar uma refeição na sede do GRHMA, em alegre convívio!

A realização deste evento nesta data constituiu uma aposta ganha, tendo sido muito apreciado pelos muitos turistas e visitantes (nacionais e estrangeiros) que circulavam pela fortaleza de Almeida, facto que contribuiu para uma considerável promoção e divulgação adicional do trabalho histórico-cultural e histórico-militar que vem sendo desenvolvido nesta fantástica localidade, por parte da respetiva Câmara Municipal e com a colaboração do GRHMA e dos seus generosos elementos.



Autoria das imagens: Paulinha e Armando.


Pedro Casimiro




quinta-feira, 13 de abril de 2017

FIT - Feira Ibérica de Turismo: Guarda, dias 28 de abril a 1 de maio de 2017





Caríssimos(as),

Este ano vai realizar-se, na belíssima cidade da Guarda, a 4ª edição do importante evento de promoção e de divulgação turística regional, que é a Feira Ibérica de Turismo. Trata-se de um evento com uma dimensão e importância assinaláveis, que permitirá expor e dar a conhecer às dezenas de milhares de visitantes aquilo que de melhor existe ao nível dos produtos, recursos e serviços, das mais diversas regiões de Portugal e de Espanha.

Trata-se, por isso, de mais um evento relevante para o concelho de Almeida, porque irá constituir mais uma plataforma privilegiada para divulgação dos respetivos produtos e serviços, aos mais variados níveis.

E na perspetiva da promoção e da divulgação da dinâmica histórico-cultural que existe neste concelho, ao nível do chamado Turismo Militar, este evento irá também contar com a presença do Grupo de Reconstituição Histórica do Município de Almeida (GRHMA)!

Está prevista uma participação regular e assídua de elementos do GRHMA no decurso deste evento, desde logo através da formação de uma Guarda de Honra às altas individualidades presentes na respetiva cerimónia de abertura, que irá ter lugar no final da tarde do dia 28 de abril.

No dia 30 de abril, pelas 17.30 horas, irá ter lugar uma cerimónia formal de apresentação do nosso evento anual, O Cerco de Almeida, seguida de algumas manobras e exercícios histórico-militares.

Será, sem dúvida, mais um evento a não perder!


Pedro Casimiro






sexta-feira, 7 de abril de 2017

10ª Edição da Escola do Soldado: Almeida, dias 17, 18 e 19 de março de 2017 - Reportagem fotográfica (12ª Parte: Freineda-final)


Caríssimos(as),

Infelizmente, chega uma altura em que até os treinos e os combates histórico-militares têm de terminar!

 

Após termo dos combates histórico-militares realizados nas típicas ruas da aldeia de Freineda (termo esse provocado pelo esgotamento do stock de pólvora...), todos os recriadores históricos presentes neste evento concentraram-se no largo da Igreja, a fim de procederem à realização de algumas demonstrações junto do público que naquele local estava concentrado, em especial os nossos amigos e participantes do famoso 8º Raid do Bucho e Outros Sabores.


Houve também oportunidade para as habituais "fotos de família", que neste caso incluiu os elementos militares do GRHMA, de infantaria e de artilharia.


No entanto, os(as) artilheiros(as), pelos vistos, também pediram ao nosso amigo Carlos Marques uma foto individual, para marcar a estreia das nossas amigas Fátima e Armada, com as suas novas fardas de soldado de artilharia (é só vaidade...).

Como não podia deixar de ser, os aguerridos elementos do nosso Departamento Civil também posaram para a "foto de família", com armas na mão e tudo...


E aqui temos a "foto de família" dos nossos camaradas da Associação para a Memória da Batalha do Vimeiro, que são nossos companheiros inseparáveis de todos os campos de batalha histórico-culturais.



O encerramento deste evento ficou ainda marcado por uma singela, mas muito significativa, cerimónia de oferta de uma placa evocativa, por parte do nosso camarada e amigo Mário Cardoso, em representação da Associação Açoriana de Colecionadores de Armas e Munições (AACAM), à Associação Napoleónica Portuguesa (ANP), que neste ato foi representada pelo respetivo Vice-presidente e Secretária, bem como pelo representante da Associação para a Memória da Batalha do Vimeiro (AMBV).


Esta amável oferta por parte dos nossos amigos da AACAM, que foi exibida a todos os recriadores históricos participantes, é um símbolo da parceira e colaboração que decorreu entre a AACAM e a ANP no decurso do ano de 2016 e que permitiu resolver algumas questões surgidas no início desse ano, que tinham o potencial de poder comprometer, ou no mínimo pôr em risco a atividade desenvolvida pela ANP e suas associadas.

É devido, por isso, um agradecimento muito especial à Direção e a todos os associados da AACAM, por todo o apoio e colaboração dispensados nesta matéria, principalmente porque foi dispensado a título gracioso e sem exigir qualquer contrapartida, num verdadeiro espírito de colaboração e de partilha, típico do mais puro espírito associativo.

Existe, por isso, uma dívida de gratidão nesta matéria que, pelo menos da parte do GRHMA, não será esquecida.


E depois de tamanhos trabalhos e de tantas duras provas, restava apenas aos recriadores históricos saborear o banquete que os esperava!

E tudo começou com umas apetitosas entradas, à sombrinha, onde foram saboreados alguns deliciosos produtos regionais à base de queijos e de enchidos, para além de um saboroso e fresquinho vinho branco leve.



Ás entradas seguiu-se o esperado (e desejado...) Bucho, acompanhado por abudantes batatas e grelos da aldeia!

Na imagem supra podemos ver o nosso amigo Carlos Marques a olhar para o corredor, aparentemente ansioso que não chegasse até si tão afamado pitéu para acalmar a fome, tal era o apetite por Bucho que o rodeava.

Circularam, segundo dizem, rumores no sentido de que os grelos que foram oferecidos às tropas eram bons, mas que havia melhores, como seriam aqueles que eram cultivados lá para as bandas de Mortágua. Bem, ficamos todos com água na boca e à espera de um convite, para saborear tão afamados grelos...



A título de balanço, pode dizer-se que a edição deste ano da Escola do Soldado foi um perfeito sucesso, que se traduziu em mais um passo na afirmação deste evento como complemento indispensável ao mais conhecido evento anual realizado no mês de agosto, o Cerco de Almeida.

Este sucesso não é, como devem imaginar, fruto do acaso, mas deve-se, em primeira linha, à colaboração que existe entre o Município de Almeida e o GRHMA e à parceria criada no âmbito da promoção e divulgação do património histórico-cultural de Portugal e de Almeida. 

É também fruto da colaboração e do trabalho do conjunto de recriadores históricos, nacionais e estrangeiros, que se dedicam a fazer centenas e, em alguns casos, até milhares de quilómetros, a fim de partilharem connosco esta atividade. 

É, designadamente, também fruto da colaboração e participação, direta e indireta, de múltiplas entidades, entre as quais avulta a Polícia de Segurança Pública e a respetiva Direção Nacional, que estão sempre disponíveis para colaborar na resolução das mais diversas questões que surgem, relacionadas com este tipo de eventos e sem as quais estes certamente não teriam a mesma projeção.

Por último, mas não em último, é devido um agradecimento e um Bem Haja muito especial aos habitantes de Freineda e também em especial ao nosso caríssimo amigo Dr. Miguel Bernardo, Presidente da Junta de Freguesia, pelo acolhimento e pelo carinho com que sempre recebem os recriadores históricos.

Foi igualmente notória uma evolução, em termos qualitativos, quer ao nível da organização do evento em Freineda, quer em termos de participação e presença de público nesta aldeia, o que deixa antever excelentes perspetivas, em termos de evolução e de projeção futura deste evento, na magnífica aldeia de Freineda!

Autoria das imagens: Carlos Marques, Fernando Peneiras e Paulinha (fotos do repasto...).

ALMA ATÉ ALMEIDA!


Pedro Casimiro



quinta-feira, 6 de abril de 2017

10ª Edição da Escola do Soldado: Almeida, dias 17, 18 e 19 de março de 2017 - Reportagem fotográfica (11ª Parte: Freineda-continuação)

 

Caríssimos(as),

Cabe agora trazer uma nota relativa aos acesos e animados combates histórico-militares, que durante toda a manhã de domingo, dia 19 de março, animaram as ruas da aldeia de Freineda!

 

Os soldados do Regimento de Artilharia nº 4 foram dos primeiros a chegar ao "campo" de batalha, depois de terem saído de madrugada da fortaleza de Almeida e trazido as suas peças de artilharia, através de montes e vales até Freineda.


Claro que nesta tarefa foram auxiliados por soldados de artilharia que são naturais da zona e por isso conhecedores de todos os atalhos até Freineda, como é o caso do Fonseca e do Correia.

 

 E, claro está que, uma vez chegados ao local, dedicaram-se de imediato a fazer sucessivos disparos através das ruas da aldeia!

O que vale é que, prevendo precisamente esta eventualidade, os habitantes da aldeia reforçaram os muros e as paredes das suas casas, nos dias que antecederam este evento...


Os nossos soldados Paulo e Carlos, do RI 23, mal chegaram a Freineda também puseram logo a "trabalhar" os seus mosquetes Brown Bess.


Os nossos amigos do RI 19 não deixaram os seus créditos por mãos alheias e ocuparam vários locais estratégicos da aldeia.



E bem preciso foi, porquanto de imediato começaram a surgir disparos e lutas corpo-a-corpo por toda a aldeia!



Sendo que, parece que até os animados elementos do nosso Departamento Civil não resistiram a participar nesses perigosos combates de rua, isto apesar de alguém ter tentado protegê-los dos eventuais riscos associados aos mesmos e sugerido que seria melhor não o fazerem.

Foi o tipo de conversa que, como se costuma dizer, "entrou por um ouvido e saiu pelo outro", pois que quando as mulheres da Beira Alta sentem o cheiro da pólvora, nada as consegue fazer parar!



Autoria das imagens: Fernando Peneiras e Carlos Marques.


Pedro Casimiro