Clique na Imagem

segunda-feira, 12 de setembro de 2016

XII Recriação Histórica do Cerco de Almeida - Reportagem video-fotográfica(8): Combates noturnos - 27-8-2016


Caríssimos(as),
Como é habitual, o momento alto do Cerco de Almeida foi a "batalha" realizada no sábado à noite, nas Portas de S. Francisco!


Bem sabiamos nós, os bravos defensores da Praça de Almeida, que os franceses preparavam um novo ataque à fortaleza. Aliás, desde cedo as extensas colunas de ataque do Exército Francês foram detetadas pelos nossos elementos de infantaria ligeira, que estavam espalhados pelos campos envolventes à fortaleza.


O que motivou também os movimentos e a deslocação de diversas unidades do Exército Aliado para diversos pontos da fortaleza, uma vez que não era conhecido o ponto exato de ataque dos franceses.


Enquanto isso, os populares de Almeida estavam espalhados pelos campos, dedicando-se às respetivas tarefas e trabalhos agrícolas, esperando que os franceses chegassem atrasados à hora do combate (como veio a suceder...).


Aliás, a boa disposição era a nota dominante nos populares, que aparentemente não se importavam de ainda estarem a trabalhar no campo, apesar de já ir alta a noite...



Até que o inevitável aconteceu!

Os franceses acabaram por chegar às muralhas de Almeida, ouvindo-se de imediato o grito tantas vezes repetido no decurso da Guerra Peninsular: Vêm ai os Franceses!


E foi então que assistimos à entrada a galope em campo de um destacamento de cavalaria francesa, que de imediato se dirigiu para as populares portuguesas, que pacificamente se dedicavam aos seus trabalhos agrícolas (para fazer sabe-se lá o quê...).


Felizmente que havia um destacamento de cavalaria aliada por perto, que impediu este desiderato dos franceses, salvando a honra das nossas populares!


 

O problema, no entanto, foi que atrás da cavalaria vinham numerosas colunas de soldados franceses, que de imediato começaram a progredir no campo de batalha, fazendo um nutrido fogo de mosquete.



Tendo, no entanto, a sua progressão em campo sido contrariada, designadamente, pelos nossos bravos soldados de infantaria ligeira, do Batalhão de Caçadores nº 6.




Tendo os nossos soldados de infantaria ligeira ganho um tempo precioso e permitido a chegada aos combates dos valentes regimentos de infantaria de linha do Exército Aliado, onde se incluíam o Regimento de Infantaria nº 23 e o Regimento de Infantaria nº 19.




Bem como a chegada dos nossos destacamentos de artilharia, cujo fogo nutrido das respetivas peças de artilharia causou pesadas baixas nas linhas adversárias.


E bem cedo ficou patente o resultado da violência dos combates em curso, ficando o campo de batalha pejado de soldados feridos (ou a descansar, conforme a perspetiva...).




E foi então que voltaram a entrar em campo os nossos diligentes populares, dedicando-se a ajudar os soldados em "sofrimento" e a retirá-los para o hospital, que estava instalado no campo de batalha.



No qual (hospital) todos eles recebiam os cuidados de saúde e os "carinhos" necessários para uma recuperação célere a fim de voltarem aos combates (até porque o número de camas de palha disponível era limitado...).



Aliás, os tratamentos e os "carinhos" dispensados pelo Corpo de Enfermeiras de serviço era de tão boa qualidade que houve até alguns soldados que preferiram ficar pelo hospital em repouso, ao invés de voltarem a enfrentar as incertezas do campo de batalha...


Motivo pelo qual em certas altura foi necessário recorrer à ajuda da guerrilha popular, para deter o ímpeto de alguns assaltos dos franceses!




E, como é habitual, nos locais onde o perigo era maior e havia o risco de rutura das linhas do Exército Aliado, era possível encontrar o modesto Comandante do GRHMA, a inspirar as suas tropas!
 


No entanto, o inevitável acabou por acontecer!
(até porque fazia parte do programa do evento...)

Uma vez mais, uma granada de artilharia francesa encontrou o caminho para o paiol (aberto) da fortaleza de Almeida e fez explodir as várias toneladas de pólvora ali armazenadas!




Todavia, esta tremenda explosão não significou o fim da "festa", mas antes o início de um fantástico ESPETÁCULO PIRO-MUSICAL!


Autoria das imagens: Paulinha, Carlos Marques, Valischka, Fernando, Histoarts e Alma & You.


Pedro Casimiro





Sem comentários:

Enviar um comentário