GRHMA

GRHMA
CLIQUE NA IMAGEM

quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

A Batalha de Waterloo (Junho de 2010) - Reportagem Fotográfica (3)

Neste "post" vou contar-vos uma história verdadeira, que sucedeu com um dos nossos soldados que participou na deslocação à Bélgica.

História do Soldado Mário
(Cabo de Artilharia)

 
No dia seguinte à chegada das tropas Portuguesas e à montagem respectivo acampamento, ainda de madrugada, o soldado Mário comenta com o camarada que partilha a sua tenda:
-Devemos ser só uma mão-cheia de tropas aqui neste acampamento, pois ontem à noite só havia meia dúzia de tendas montadas.
Todavia, mal saí da sua tenda para apreciar o ar matinal, o nosso soldado Mário fica logo de boca aberta, espantado, e diz para o seu camarada:
-Anda cá depressa ver isto! Há aqui tendas até perder de vista!
E com isto, o soldado Mário começou logo de manhã a percorrer o acampamento, para ver as tropas que por lá havia.

Passado pouco tempo, o nosso soldado depara-se com um grupo de tendas, onde havia uma unidade de Highlanders. E fica logo espantado a olhar para eles.
-Olhem lá para isto, disse ele com os seus botões, até tipos de saias apareceram por aqui.

E claro que, enquanto ia passeando pelo acampamento, o nosso soldado Mário foi aproveitando para tirar fotografias a tudo o que ia vendo.

Até que, cansado de tanto caminhar, voltou ao acampamento Português. E mal lá chegou, colocou um pé em cima de um banco e perguntou:
-Então quando é que os dorminhocos dos cozinheiros preparam o pequeno-almoço? Eles não sabem que as tropas já estão cheias de fome?

E como não houvesse ninguém disponível para tratar do pequeno-almoço do soldado Mário, ele resolveu pegar no seu canivete e tirar algumas lascas de presunto, para ir acalmando a fome.

E enquanto o soldado Mário se ia distraíndo dessa maneira, os soldados Tó e António iam pensando no melhor tempero a dar à sopa.

Apesar de o soldado Mário se continuar a queixar que ninguém se preocupava em fazer o seu pequeno-almoço, os soldados Carlos e Paulo desde madrugada que estavam a limpar os seus mosquetes, mesmo de barriga vazia.

A certa altura, o soldado Mário resolveu ajudar os seus camaradas de infantaria, oferecendo-se para segurar num dos mosquetes, enquanto conversava com os soldados Vitó e Armindo.
Pensou ele, uma vez mais, com os seus botões:
-Deixam-me pôr o mosquete aqui pertinho da fogueira, para ele ficar quentinho e trabalhar melhor.
Isto é que é um soldado previdente. O que vale é que o mosquete estava descarregado...

E enquanto milhares de soldados marchavam para o campo de batalha, o nosso soldado Mário aproveitava todas as oportunidades para ir tirando umas fotos com a sua máquina digital, de última geração.

No entanto, a certa altura do Sargento Guedes não gostou que o soldado Mário andasse tão distraído e resolveu fazer uma participação ao Comandante, dizendo que se calhar já estava na altura de o soldado Mário receber um "prémio".
O que vale é que o Comandante, com a sua habitual bonomia e compreensão, entendeu que a situação não era muito grave e que não havia razão para começar a distribuir "prémios".

E assim terminou esta interessante história do nosso valente soldado Mário.

Pedro Casimiro

2 comentários:

  1. O nosso "cabo Mário" é uma BOMBA. E o comandante teve razão.... não merecia prémio!!! Se bem que às vezes ele é "meio malandro"....

    ResponderEliminar
  2. Pois é Armindo, e agora com a crise que toda a gente diz que está para chegar, se calhar até nós vamos ter de começar a poupar nos "prémios"...

    ResponderEliminar