GRHMA

GRHMA
CLIQUE NA IMAGEM

sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

A Batalha de Waterloo (Junho de 2010) - Reportagem Fotográfica (2)

Continuando a saga da deslocação das tropas portuguesas até à Belgica, aqui podemos ver dois soldados de Lisboa e arredores, à espera de transporte. Ouvi dizer que o Alves chegou a perguntar se era possível saltar de pára-quédas sobre o campo de batalha, mas parece que as autorizações não chegaram a tempo.

Já dentro do avião, podemos ver o soldado Guto disfarçado de agente secreto, a controlar as "voltas" das hospedeiras de bordo.
O Armindo, lá atrás, ainda não consegue disfarçar a emoção... 

Chegados ao aeroporto de Charleroi, todos pudemos constatar que, ao contrário do que nos tinham dito, até cabiam mais do que 5 pessoas na sala de espera.
  

Depois de sairmos do aeroporto, tivemos de apanhar cerca de 10 comboios para conseguirmos chegar PERTO do local do destino. 

E durante as viagens de comboio, o soldado Hugo foi aproveitando para ver as vistas...
Aproveito a oportunidade para mandar um grande abraço para o Hugo, desejando uma recuperação rápida e completa da sua saúde.

E não é que a certa altura aparece um grande monte no horizonte!
O nosso destino estava à vista!

Mas, é claro, só faltava andar cerca de 20 Km com as malas às costas para lá conseguir chegar.
O que valeu foi que a policia Belga, que fazia o controlo dos acessos, nos deixou fazer algum corta-mato.
E para que cerca de 20 soldados pudessem fazer uma viagem confortável de avião foi preciso que dois valentes soldados se tivessem voluntariado para fazer o transporte de todo o equipamento logístico necessário ao acampamento por via terrestre, ao longo de milhares de quilómetros e por vários países.
Devemos todos um agradecimento muito especial aos soldados Tó Soares e António Rico

Descansar? Nada disso!
Toca a montar as tendas, organizar o acampamento e fazer o jantar!
Afinal, a vida de soldado do séc. XIX ainda tem que se lhe diga...

E foi assim que se realizou o nosso primeiro jantar: ao ar livre e à luz das velas e da fogueira.
Os nossos três cozinheiros (Tó, Vitó e Sérgio) fizeram um trabalho excelente ao longo de toda a nossa permanência na Bélgica.


O descanso dos guerreiros! 
Nada como um cházinho quente (acho que era de camomila...) para acalmar e chamar o sono, depois de um dia esgotante para as tropas.

Pedro Casimiro

1 comentário:

  1. Ah!!! Agora já lá chegámos. Mas que custou, lá isso custou... Agora falta a acção, a valer... e que acção!!!

    ResponderEliminar